10 crianças que foram criadas por animais

Uma criança selvagem é uma criança que vive isolada do contato humano a partir de uma idade muito jovem, e não tem experiência ou já teve pouco contato com os cuidados humanos e principalmente com a linguagem humana.

A maioria das crianças selvagens foram abandonadas por seus próprios pais, devido a algum problema físico ou intelectual. As crianças selvagens também podem ter passado por algum trauma grave antes de serem abandonadas ou fugirem. Pouco mais de cem casos foram relatados no total ao redor do mundo. Aqui enumeramos 10 deles, que ficaram famosos ao longo dos anos.

10. Dina Sanichar, o Menino Lobo Indiano
Dina Sanichar, um dos meninos que viviam no Orfanato Sekandra na Índia, foi removido de uma caverna de lobos em 1867, quando ele tinha cerca de seis anos de idade. Dina Sanichar foi descoberto quando os caçadores nas selvas de Bulandshahr ficaram surpresos ao ver um menino seguir um lobo em sua toca, correndo de quatro. 

Inicialmente, ele exibiu todos os hábitos de um animal selvagem, rasgando as roupas e comendo comida do chão. Depois de muito tempo, deixou de comer carne crua e passou a comer carne cozida, mas nunca aprendeu a falar. Ele, aparentemente, tornou-se viciado em tabaco. Dina Sanichar morreu em 1895.

09. Kamala e Amala, as Meninas Lobo de Midnapore

Talvez uma das histórias mais conhecidas e controversas de crianças selvagens é a de Amala e Kamala. Kamala e Amala são dois dos casos mais interessantes de crianças selvagens. As meninas lobo tinham cerca de 1 ano e 6 meses (Amala) e oito anos (Kamala) quando foram encontradas juntas com lobos.  No entanto, acredita-se que elas não eram irmãs, mas foram abandonadas ou levadas pelos lobos com diferenças de alguns anos.

No ano em que foram encontradas, o reverendo Joseph Singh, um missionário no comando de um orfanato no norte da Índia, viu duas figuras fantasmagóricas que acompanhavam um bando de lobos perto de Midnapore na selva de Bengala. Os moradores locais estavam com medo dessas aparições, mas o costume local lhes proibiam de fazer mal aos lobos. 

Intrigado, Singh construiu um esconderijo no topo de uma árvore com vista sobre o esconderijo do bando, um velho cupinzeiro de dez metros de altura que se tornou oco com o tempo. Quando a lua surgiu no céu, Singh viu os lobos sairem um a um. Em seguida, apareceram duas figuras curvadas e horríveis. 

Singh descreveu os "fantasmas" em seu diário, como: "Tinham mãos, pés e corpos como de um ser humano, mas a cabeça era grande e tinha algo cobrindo os ombros e a parte superior do busto . Seus olhos eram brilhantes e ao contrário dos olhos humanos. Ambas corriam sobre as quatro patas. "

As meninas não pareciam ter nenhum traço de humanidade na forma como elas agiam e pensavam. Era como se elas tivessem as mentes dos lobos. Elas arrancavam as roupas colocadas sobre elas e só comiam carne crua. Dormiam enroladas e juntas e rosnavam e se contorciam quando estavam dormindo. Só despertavam quando a lua desaparecia no horizonte e gritavam muito para se livrarem dos humanos. 

Elas passaram tanto tempo com os lobos, que seus tendões e articulações tinha encurtado a tal ponto que era impossível para elas endireitarem as pernas e até mesmo tentar andar eretas. Elas nunca sorriam ou demonstravam qualquer interesse na companhia humana. A única emoção que transparecia em seus rostos era medo. Até mesmo os seu sentidos se tornaram como os dos lobos. 

Singh afirmou que os olhos das meninas cresciam espantosamente à noite e brilhavam no escuro como os de um gato. Elas podiam sentir o cheiro de um pedaço de carne no quintal do orfanato a cerca de três hectares. A audição também era acentuada, mas a voz do homem parecia estranhamente inaudíveis aos seus ouvidos.

Singh fez o seu melhor para reabilitar as meninas. Ele teorizava que os hábitos adquiridos por Kamala e Amala, de alguma forma bloquearam a livre expressão de suas características humanas. Singh sentiu que era seu trabalho , afastar as meninas do seu convívio com os lobos e assim permitir que seus hábitos como humanas voltassem a surgir. 

Infelizmente, antes de seu trabalho ter sido concluido e apesar de ter progredido muito, a menina mais nova, Amala, adoeceu e morreu. Isto provocou um grande retrocesso no progresso de Kamala, que tinha acabado de começar a perder o medo de outros seres humanos dos arredores do orfanato. Kamala entrou em um luto prolongado e por um tempo, Singh temia por sua vida também. Mas, eventualmente, Kamala se recuperou e a sua recuperação foi um sucesso.

                    08. Daniel, O Menino Cabra dos Andes
O Menino Cabra dos Andes foi encontrado nos Andes, no Peru, em 1990, e foi dito ter sido criado por cabras durante oito anos. Ele sobreviveu bebendo leite das cabras e comendo raízes e frutos silvestres. Estando na natureza, ele desenvolveu as características óbvias de um animal selvagem.

Ele andava com todos os seus quatro membros e suas mãos e pés foram endurecidos devido à formação de cicatrizes que agiam como cascos. Ele conseguia se comunicar com as cabras e não conseguia entenderr a linguagem humana.

Após ser encontrado, o menino foi estudado por uma equipe da Universidade do Kansas (The University of Kansas e passou a ser chamado de Daniel.

07. O Menino Gazela da Síria
Um menino com idade em torno de 10 anos foi encontrado no meio de muitas gazelas no deserto da Síria, e só foi capturado com a ajuda de um jipe ​​do exército iraquiano, porque ele corria a uma velocidade de até 50 quilômetros por hora!  Apesar de muito magro, ele possuía músculos extremamente fortes. E devido à sua resistência quando capturado, teve suas mãos e pés amarrados.

O Menino Gazela tentou fugir várias vezes das instituições em que esteve internado. Como nenhum tratamento surtia efeitos, ele foi internado em uma clínica de doentes mentais. Acredita-se que ele foi abandonado quando ainda era um bebê.

06. Bello, o menino chimpanzé da Nigéria
Bello, o menino chimpanzé da Nigéria foi encontrado em 1996, com a idade de cerca de dois. Tinha deficiência mental e física. Ele provavelmente, teria sido abandonado por seus pais na idade de cerca de seis meses, uma prática comum com crianças portadoras de deficiência entre os Fulani, um povo nômade que vivia muito distante sobre a região oeste do Saara Africano.

Acredita-se que foi adotado e criado por chimpanzés. Bello foi encontrado com uma família de chimpanzés na Floresta Falgore, a  cerca de 150 km ao sul de Kano, no norte da Nigéria. Quando a história chegou às agências de notícias cerca de seis anos mais tarde, em 2002, Bello estava morando na casa Torrey Maliki Tudun em Kano.

Quando descoberto, Bello andava como um chimpanzé usando as pernas, mas os braços arrastando no chão. Ele saltava sobre o dormitório à noite,  perturbando as outras crianças, quebrando e jogando coisas. Seis anos mais tarde Bello se tornou muito mais calmo, mas ainda saltava como um chimpanzé fazendo ruídos e batendo as mãos sobre a cabeça repetidamente. Bello morreu em 2005.

5. John Ssebunya, o Monkey Boy Uganda
John Ssebunya nasceu em meados de 1980, mas fugiu de casa (provavelmente com idade em torno de três anos) depois de ver sua mãe assassinada por seu próprio pai. Provavelmente, Ssebunya foi cuidado por pelo menos, até certo ponto, por macacos africanos, enquanto esteve na selva. 

John foi encontrado por uma menina (chamada Millie), em 1991, se escondendo em uma árvore. Ela chegou com ele na aldeia em que ela morava, mas John resistiu à captura e sua família adotiva ( os macacos) veio em sua defesa, jogando paus nos moradores.

Os exames iniciais no corpo de John Ssebunya constataram uma doença chamada de hipertricose que causa o crescimento de pelos no corpo humano. Quando ele defecava, ​​ele excretava vermes com mais de meio metro de comprimento. Depois de capturado e limpo - ele estava coberto de cicatrizes e feridas e com os joelhos com cicatrizes pela posição em que ele andava. 

 Foi lhe dado o nome de John Ssebunya e ficou aos cuidados de Paulo e Wasswa Molly, que fundaram uma instituição de caridade para órfãos. O menino não falava ou chorava inicialmente, mas posteriormente aprendeu a falar. Isso sugere que ele pode ter aprendido alguma fala antes de sua estadia na selva. John aprendeu a falar e cantar e foi o tema do documentário da BBC Living Proof , exibido em 13 de Outubro de 1999.

4. Traian Caldarar, o Menino Cão Romeno
Traian Caldarar é um menino romeno que aparentemente viveu selvagemente, separado de sua família por três anos. Acredita-se que deixou a casa da família por causa de violência doméstica. Sua mãe, Lina Caldarar, disse que ela amava seu filho, mas tinha um parceiro violento, que estava sempre a bater-lhe.

Quando ela perdeu Traian, ficou perturbada, e esperava que ele talvez tivesse sido adotado por outra família. Ela disse: "Quando eu fugi, eu perdi o contato com Traian, embora eu tivesse tentado levá-lo comigo. Ele [o pai do menino] não me permitia levar o meu filho. Ele dizia que a criança pertencia a ele. "

Apesar de ter sete anos quando foi encontrado, Traian Caldarar tinha o tamanho de uma criança de três anos de idade. Não falava, estava nu e vivia em uma caixa de papelão coberta com uma folha de polietileno. Ele sofria de raquitismo grave, havia ferimentos infectados e sua circulação sanguínea estava fraca, possivelmente por causa do frio. Os médicos acreditam que teria sido impossível para Traian sobreviver por conta própria e especula-se que ele recebeu ajuda de cães de rua  na região da Transilvânia. Ele foi encontrado perto do corpo de um cão.

Traian Caldarar foi encontrado depois que o carro de um pastor, Manolescu Ioan, quebrou. Sr. Ioan começou a andar e se deparou com a criança, disse no seu relato à polícia. Traian andava de quatro e tentava dormir embaixo da cama. A Drª. Mircea Florea disse: "Ele foi encontrado na  posição de um animal e seus movimentos eram animalescos. Os fatos mostram que ele não foi criado em um ambiente social. Ele se tornava muito agitado quando estava sem comida. Ele ficava à procura de algo para comer o tempo todo e dormia depois que comia".

3. Rochom P'ngieng, a Garota da Selva Cambojana 
A chamada Garota da Selva Cambojana é uma mulher cambojana que emergiu da selva na Província de Ratanakiri , Camboja em 13 de janeiro de 2007. Uma família em uma vila próxima alegou que a mulher era sua filha de nome Rochom Pn'gieng (nascida em 1979) com 29 anos de idade que havia desaparecido 18 ou 19 anos antes. A história teve cobertura em todos os meios de comunicação da região, da criança que viveu como uma selvagem na maior parte de sua vida.

Ela chamou a atenção internacional depois de sair suja, nua e assustada da selva densa da Província remota de Ratanakiri no nordeste do Camboja em 13 de janeiro de 2007. Depois que um morador notou o sumiço de alimentos de uma caixa, ele demarcou a área, localizou a mulher, reuniu alguns amigos e a pegou.

Ela foi reconhecida por seu pai, o policial Ksor Lu,  por causa de uma cicatriz nas costas. Ele disse que Rochom P'ngieng ficou perdida na selva cambojana com a idade de oito anos quando pastoreava búfalos com sua irmã de seis anos de idade (que também desapareceu). Uma semana depois de ser descoberta, ela apresentou dificuldades para seajustar à vida civilizada. A polícia local informou que ela só foi capaz de dizer três palavras: "pai", "mãe" e "dor de barriga". 

Um psicólogo espanhol que visitou a menina informou que ela "escreveu algumas palavras e sorriu em resposta a um jogo envolvendo animais de brinquedo e um espelho", mas não falava qualquer língua reconhecível. Quando ela estava com sede ou com fome, ela apontava para a sua boca. Ela preferia rastejar em vez de andar ereta. 

A família assistiu Rochom P'ngieng o tempo todo para ter certeza de que ela não fugiria de volta para a selva, como ela tentou fazer várias vezes. Sua mãe sempre tinha que colocar as roupas novamente quando ela tentava tirá-las. A visita de uma repórter descreveu a mulher como apática e triste, mas inquieta à noite. Em maio de 2010, Rochom P'ngieng fugiu de volta para a selva. Apesar do empenho nas buscas, não conseguiram mais encontrá-la.


2. O Menino Pássaro da Rússia
Em 2008, um grupo de trabalhadores russos resgataram uma criança de sete anos de idade. "O Menino Pássaro", que não falava e sim "chilreava" como os pássaros, após sua mãe o criar em um aviário como foi relatado. As autoridades disseram que a criança negligenciada foi encontrada vivendo em um apartamento de dois quartos pequenos cercado por gaiolas contendo dezenas de aves, rações de aves e excrementos.

O chamado "Menino-Pássaro" não entendia qualquer linguagem humana e se comunicava cantando e agitando os braços, como o jornal russo Pravda relatou. A assistente social Galina Volskaya, que estava envolvida em resgatar a criança de sua casa em Kirovsky, Volgograd, disse que ele foi tratado como qualquer animal de estimação por sua mãe de 31 anos de idade, que nunca falou com ele.  A Senhorita Volskaya disse: "Quando você começa a falar com ele, ele canta como um pássaro".

As autoridades russas dizem que a criança não foi fisicamente prejudicada, mas estava sofrendo de "Síndrome de Mogli", em homenagem ao personagem do livro da selva criado por animais selvagens, e que não exercia qualquer comunicação humana normal.

O jornal Pravda relatou: A sua mãe mantinha o filho alimentado e nunca deixava-o sem comida, mas nunca falava com ele. Eram as aves que se comunicavam com o menino e lhe ensinou a linguagem dos pássaros. "Ele só emitia silvos e quando percebia que não era compreendido começava a acenar com as mãos. A mãe do garoto assinou um termo para liberar a criança dos seus cuidados, depois que ele foi descoberto. Ele foi temporariamente transferido para uma instituição, mas depois foi enviado para um centro de atendimento psicológico, de acordo com relatórios.

1. Oxana Malaya, A Garota Cão Ucraniano
Oxana na verdade foi uma criança negligenciada e passou grande parte de sua infância entre as idades de 3 e 8 anos vivendo em um canil no quintal da casa da família em Novaya Blagoveschenka, Ucrânia, embora ela tenha passado algum tempo na casa com os pais negligentes.

Os pais alcoólatras de Oxana não foram capazes de cuidar dela, e aos três anos de idade, ele foi afastada de sua casa. Eles moravam em uma área pobre, onde havia cães bravos perambulando pelas ruas. Ela se refugiava em um barracão habitado por estes cães atrás de sua casa. Foi criada por eles e aprendeu a viver com o comportamento dos animais. 

O vínculo com a matilha de cães era tão forte que as autoridades que vieram para salvá-la, foram expulsos na primeira tentativa, pelos cães. Suas ações e sons emitidos eram similares àqueles de seus cuidadores. Ela rosnava, latia, andava de quatro e se agachava como um cão.  Cheirava a comida antes de comer e adquiriu sentidos extremamente aguçados de olfato, audição e visão. Ela só sabia dizer "sim" e "não" quando  foi resgatada.

Quando ela foi descoberta, Oxana achou difículdades para adquirir habilidades sociais e emocionais, normal em um ser humano. Ela tinha sido privada de estimulação intelectual e social, e seu único apoio emocional veio dos cães com os quais ela convivia. Quando encontrada pela primeira vez em 1991, ela mal conseguia falar.

Em 2010, com a idade de 26 anos, Oxana residia em um lar para deficientes mentais, onde ela ajudava a cuidar das vacas na fazenda da clínica. Ela expressava que era mais feliz quando estava entre os cães.








5 comentários :

Seu comentário é muito importante para mim!